Rastreando Feminino, rompendo silêncios em Conceição do Coité

Rastreando Feminino, rompendo silêncios em Conceição do Coité: cartografia da violência contra a mulher (1980-1998)

A violência contra as mulheres, aqui compreendida como um fenômeno social, cultural e político, foi reconhecida em 1993 como uma violação aos direitos humanos pela Conferência das Nações Unidas sobre Direitos Humanos e desde então tem sido reconhecida em muitos países como um grave problema de saúde pública, uma epidemia que contamina a sociedade e mata, a cada dia, mais e mais mulheres. Os dramáticos índices desse fenômeno, em suas diferentes formas de manifestação, têm se tornado uma grande preocupação para homens e mulheres comprometidos com a equidade de gênero. Em função desse cenário contínuo de violência, nos últimos anos, muitos estudos de natureza acadêmica têm surgido sobre a temática. Porém, esses estudos estão circunscritos aos grandes centros urbanos e poucos são os estudos sobre a violência contra as mulheres no interior do Estado da Bahia, especialmente no território do sisal, limite geográfico deste estudo. Assim, reconhecendo a importância do passado para entender o presente e, talvez, modificar o futuro, o propósito deste trabalho é construir e analisar uma cartografia da violência contra as mulheres em Conceição do Coité – Ba s décadas de 80 e 90, levando em conta o discurso e o movimento de mulheres do referido território.

Coordenação: Zuleide Paiva da Silva

Anúncios