Falta apenas uma semana para o Enlésbi 2013!

ENLESBI O TAL DO BANNER

I Encontro de Lésbicas e Mulheres Bissexuais do Estado da Bahia
Diálogos Possíveis
Lesbianizar e Racializar o Estado da Bahia
16 e 17 de agosto de 2013

No Grande Hotel da Barra , local do 2° SENALE – Seminário Nacional de Lésbicas e Mulheres Bissexuais – , que foi realizado há 16 anos.
Organização: Fórum Baiano LGBT, LIGA BRASILEIRA DE LÉSBICAS, GRUPO AMULETO e NUGSEX-DIADORIM/UNEB

Acesse: https://www.facebook.com/enlesbi?ref=ts&fref=ts

Algumas palavras sobre o EnLésBi

Unidas pelo desejo de construir lesbianidades e feminismos críticos, do tipo radical, visceral, criativo, libertário e heterodissidente, livres de violências de gênero, lésbicas e mulheres bissexuais da Bahia se reuniram em Ilhéus, durante o Seminário de Fortalecimento do Fórum Baiano LGBT, realizando no período de 05 a 08 de dezembro/2012 para sonhar o EnLesBi, para ousar, revolucionar, compartilhar, rir, brincar, criar, debater, promover, denunciar, sonhar, transformar.
Desde então, o EnLesBi vem sendo construído de forma presencial e virtual. Muitas foram as tessituras pelas redes sociais e pela “rede tim”.
Muitas foram as “rodas de conversa”, em Salvador, Ilhéus, Lauro de Freitas, Simões Filho e Castro Alves. Nossa pedagogia é feminista, prevalece a politica do afeto, da solidariedade, A construção é coletiva, participativa e colaborativa
Construímos o EnLesBi para nos conhecer, nos entender, nos fortalecer. Queremos compartilhar nossas experiências, de ativismos, de enfrentamento e superação de violências.

Somos lésbicas e mulheres bissexuais em movimento por políticas públicas e justiça social. Somos múltiplas, diversas. Estamos juntas, em legião. Queremos refletir coletivamente sobre nós mesmas e sobre o futuro do nosso movimento.
Financiamento do EnLesBi

O EnLesBi não é um Encontro autônomo. É financiado pela SESAB -Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Teve apoio da SEC/SUDEB – Superintendência de Educação Básica da Secretaria de Educação do Estado da Bahia e do Diadorim – Núcleo de Estudos de Gênero e Sexualidade da Universidade do Estado da Bahia. A SESAB garantiu nossa hospedagem e alimentação. A SUDEB e o Diadorim/UNEB contribuíram com passagens. Outras entidades e pessoas parceiras contribuíram com ideias, com apoio político, solidário, feminista. A todas elas nosso reconhecimento e agradecimento. Agradecemos em especial a Vereadora Fabiola Mansur, a ex-vereadora Vania Galvão, ao parceiro Bial e aos companheirxos gays, trans feministas do FBLGBT.

Sem a ajuda de muita gente, o EnLesBi não seria possível.

As “pendengas” que surgiram no final do caminho exigiram mudanças na data e na programação inicial. A alteração da data teve o propósito de não comprometer a participação das companheiras em outras ações do dia 29 de agosto que serão realizadas em diferentes municípios do nosso Estado.
A programação foi modificada para se ajustar ao orçamento da Secretaria de Saúde. Reduzimos a programação, mas não comprometemos a qualidade do debate. A expectativa é nos encontrar em Salvador e depois seguirmos em legião para o interior do Estado para lesbianizar e racializar a Bahia de Norte a Sul.
Lesbianizar e racializar é trazer a perspectiva lésbica para cena do de debate. É reiterar a noção de que a raça constitui a sujeita lésbicas.
O cenário politico da Bahia e do Brasil exige ação/reação nossa a cada dia. Dados produzidos pelo movimento social e pelo governo apontam a situação de vulnerabilidade da comunidade LGBT.

A lesbofobia racializada é naturalizada, invisibilizada, não denunciada, consentida pela cultura e pelo Estado brasileiro que não avança no processo de criminalização da homofobia no pais.

O EnLesBi se apresenta nesse cenário como ponto de resistência. Para nós chega de lesbofobia, queremos mais amor, queremos cantar, dançar, brindar a existência/resistência lésbica. Queremos união, conexão, vibração.
Somos redes LESBI em movimento.

O I EnLésBi é espaço de construção política, lugar coletivo, colaborativo, e participativo. Lugar de diálogo entre os segmentos de lésbicas e mulheres bissexuais, academia e Estado.
O foco do Encontro é a construção da cidadania e dos Direitos Humanos das Lésbicas e Mulheres Bissexuais.
O objetivo é fomentar formação política no intuito de combater o racismo, a lesbofobia, o sexismo e demais expressões da violência de gênero. Também é propósito do encontro a construção de redes de solidariedade, a produção e difusão de conhecimentos relevantes para as lésbicas, mulheres bissexuais e suas/nossas lutas.
“Queremos mais lésbicas e mais mulheres bissexuais no poder”. Queremos revolucionar o mundo que apaga nossos sonhos, tomba nossos corpos e ceifa nossas vidas.
Vejam os critérios de participação, se inscrevam.
Com afeto , nos desejamos um encontro feminista, solidário e participativo!

Publicado em Uncategorized

CINEMANDO COM A LITERATURA: TEXTOS DE AUTORIA FEMININA VOLTA A CIRCULAR

O Cinemando com a Literatura: textos de autoria feminina volta circular! Agora toma o rumo da Chapada Diamantina, e sob a coordenação do Prof. Marcos Gonçalves acontece em duas cidades: América Dourada e Morro do Chapéu. Promovido pelo Diadorim – Núcleo de Estudos de Gênero e Sexualidade, o projeto conta com o apoio da Pró-Reitoria de Extensão da Universidade do Estado da Bahia e da Superintendência de Desenvolvimento da Educação Básica –SUDEB/SEC-BA.

A proposta tem por base a interface cinema e literatura, fomentando reflexão e discussão de temáticas contemporâneas, a partir de produções cinematográficas baseadas em obras literárias consagradas. Iniciado em 2007, o projeto já ocorreu em 14 campi da Uneb, em edições ininterruptas, tendo como público alvo: estudantes secundaristas, discentes das unidades da UNEB, professores do ensino médio e comunidade em geral. Nesta nova edição, o projeto contempla produções literárias mundiais de autoria feminina.

AGENDA
AMERICA DOURADA
DIAS 30 e 31 DE JULHO
Local: Clube Municipal
Exposição Virtual Mulheres, de Jorge Itaitu
Bate-Papo cinematográfico:
Dia 30/07 (noite): A MÁQUINA, participação da atriz Fernanda Belling
Dia 31/07 (tarde): Arranca-me a Vida, debate com prof. Marcos Gonçalves, coordenador do projeto
Dia 31/07 (noite): A Hora da Estrela, debate com Prof.ª Izabel Melo – Campus XIII – Itaberaba – UNEB
Apoio: Pró-Reitoria de Extensão/UNEB; Secretaria Municipal de Educação de América Dourada e Superintendência de Desenvolvimento da Educação Básica – SUDEB/SEC –BA

MORRO DO CHAPEU
DIAS 1 e 2 DE AGOSTO
Local: Centro de Cultura e Colégio Estadual Jubilino Cunegundes
Exposição Virtual Mulheres, de Jorge Itaitu
Bate-Papo cinematográfico:
DIA 01/09 (NOITE): A MÁQUINA, participação da atriz Fernanda Belling
DIA 02/08 (NOITE): A Hora da Estrela, debate com Prof.ª Izabel Melo – Campus XIII – Itaberaba – UNEB
Apoio: Pró-Reitoria de Extensão/UNEB; Secretaria Municipal de Cultura de Morro do Chapéu; Colégio Estadual Jubilino Cunegundes e Superintendência de Desenvolvimento da Educação Básica – SUDEB/SEC –BA

Nestas Mostras ocorrerão exibição de filmes, exposição virtual, bate-papos sobre cinema e temáticas relativas ao universo feminino e lançamento da revista CINEMANDO, escrita por professoras(es) de diversos departamentos da UNEB e convidadas(os).

cimemando evento

Publicado em Uncategorized

Projeto ‘Minoria Quem’ promove discussão sobre direitos LGBTO

Projeto ‘Minoria Quem’ promove discussão sobre direitos LGBT

O primeiro debate promovido pelo Projeto de Extensão ‘Minoria Quem’ da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) vai discutir questões ligadas aos direitos do grupo Lésbicas, Gays, Bissexuais e Travestis (LGBT). A iniciativa é aberta à comunidade e acontece na próxima quarta-feira (26), às 14h, no hall do Complexo Multieventos, no campus de Juazeiro. Na oportunidade estarão presentes o advogado e membro do Coletivo LGBT Quitérias, Leonardo Santana, uma das participantes do grupo de visibilidade lésbica Diadorim, Virgínia Nunes e o estudante do curso de Medicina da Univasf, Wandson Padilha.

Conforme o coordenador do projeto, professor do curso de Psicologia Afonso Henrique Menezes, a proposta não é proporcionar debates polarizados, com participantes que são contra ou a favor de determinada questão. “Nós queremos informar as pessoas a respeito dos direitos delas, nosso enfoque está nas questões legais da temática”, frisou. Nesta perspectiva, serão realizados debates a cada dois meses sobre outros temas relacionados às chamadas minorias, entre elas, negros, índios e deficientes.

A iniciativa tem o apoio das pró- reitorias de Assistência Estudantil e de Extensão (Proae/Proex) e da TV Caatinga, que transmitirá o evento, ao vivo e, posteriormente, disponibilizará o conteúdo no seu site. O Projeto ‘Minoria Quem’ é formado por professores e estudantes e surgiu a cerca de dois meses. Para que ocorra maior participação dos estudantes no evento será disponibilizado um ônibus que sairá às 13h30 do campus de Ciências Agrárias e passará pelo campus Petrolina Sede.

Retirado na Íntegra do site da UNIVASP: http://www.univasf.edu.br/

TRANSMISSÃO AO VIVO: http://www.rtvcaatinga.univasf.edu.br/

Matérias: http://www.carlosbritto.com/direitos-legais-de-grupos-lgbt-serao-abordados-em-debate-na-univasf-em-juazeiro/

Nota | Publicado em por

V Jornada Lésbica Feminista e XI Caminhada de Lésbicas e Bissexuais de São Paulo

O Nugsex Diadorim, representado pela professora Eide Paiva, estará presente na V Jornada Lésbica Feminista e na XI Caminhada de Lésbicas e Bissexuais de São Paulo.

“(…) Apesar das grandes vitórias que o movimento lésbico feminista alcançou nos últimos anos, recentemente temos acompanhado o fortalecimento de grupos reacionários, fundamentalistas e discriminatórios que têm ocupado espaços de decisão, como o Senado e a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados.

Por isso, para este ano de 2013, devido este grande retrocesso das demandas do movimento, assim como o assustador avanço do fundamentalismo religioso dentro dos nossos sistemas políticos, o tema obviamente é: O Estado é laico! Construindo direitos, desconstruindo preconceitos: basta de lesbofobia! A ideia é abordar as diversas formas de negação de direitos que as mulheres lésbicas e bissexuais e também toda a população LGBT, de forma mais geral, estão enfrentando no contexto politico desse momento.

Apesar de todos os desafios, algumas desavenças no seu processo de construção e organização, a Caminhada Lésbica de São Paulo foi a precursora de todas as caminhadas e marchas que acontecem no restante do Brasil e é referencia para militantes e ativistas de outros estados.

Portanto, vamos comemorar as conquistas, celebrar o amor, mas mostrar também que somos livres e autônomas, que estamos vigilantes e não nos contentaremos com nada aquém do que nos é de direito! (…)”

Trecho extraído de http://blogueirasfeministas.com/2013/05/xi-caminhada-de-lesbicas-e-bissexuais-de-sao-paulo/ Leia a reportagem completa!

Vamos todas(os)?!

Programação completa: http://caminhadalesbica.org/2013/#prettyPhoto

Facebook: https://www.facebook.com/pages/XI-Caminhada-de-Lésbicas-e-Bissexuais-de-São-Paulo/189151017899638

Publicado em Uncategorized

Mesa Redonda – Minorias e Grupos Vulneráveis

O Nugsex Diadorim esteve, através da professora Eide Paiva, presente no dia 23 de maio na Mesa-redonda “Minorias e Grupos Vulneráveis”, atividade final da disciplina Fundamentos de Antropologia e Sociologia Jurídica, oferecida à estudantes de primeiro semestre do curso de Direito da FTC, sob a responsabilidade do professor Eduardo, homem feminista, mestre em Gênero, Mulheres e Feminismo pelo NEIM/UFBA.

O propósito da mesa foi despertar os/as estudantes para a necessidade de um olhar diferenciado para as minorias e grupos vulneráveis na busca e consecução de seus direitos. Alda Motta, professora do Neim/Ufba, pesquisadora da temática de gênero e envelhecimento, Verônica Almeida, paratleta, medalha de bronze na natação nos jogos Paraolímpicos de Pequim foram convidadas para compor a mesa, mas não puderam comparecer. O tempo da mesa foi dividido entre a professora Eide e Olinda Muniz, índia pataxó, estudante de jornalismo, defensora das causas indígenas.

Se situando no campo dos estudos feministas, orientada, sobretudo, pelo pensamento das negras e das lésbicas, a professora Eide iniciou sua fala reconhecendo a importância da iniciativa do professor Eduardo em convidar para suas aulas representantes de minorias e grupos vulneráveis para falar de si, das suas experiências na luta pela garantia de direitos.

Reconhecendo que as minorias e grupos vulneráveis não são homogenias, que é preciso conhecer e respeitar as suas diferenças, centrou sua fala na bandeira da criminalização da homofobia. Apresentou dois pontos de vista necessários ao enfrentamento e superação da LGBTfobia, do racismo e de outras formas de violência: a educação para a diversidade e a laicidade do Estado. Falou da “heterossexualidade cultural” como sistema de controle da sexualidade e dos corpos e concluiu seus 20 minutos de fala convidando o professor Eduardo e a turma para somar esforços com os movimentos LGBT e com o NuGSex Diadorim/UNEB na defesa e promoção dos Direitos Humanos da população LGBT. Falou dos projetos do Diadorim “Uneb combatendo a homofobia” e “Campanha de 16 dias de ativismo na Uneb”, que esse ano vai trabalhar com a temática da laicidade do Estado.

A representante indígena iniciou sua fala questionando quem são os índios de hoje. Reconheceu a pluralidade das tribos e negou toda e qualquer noção homogeneizadora das mesmas. Fez crítica à mídia hegemônica que cria e reitera estereótipos do seu povo. Disse que vai se formar em jornalismo para fazer da comunicação um instrumento de defesa e empoderamento indígena.  Ressaltou a luta pela garantia e proteção das terras indígenas, falou da discriminação e violência vivenciada pelas tribos e concluiu sua fala dizendo que “novos colonizadores”, que somos todos nós que não reconhecemos os direitos humanos desse segmento. Emocionou a platéia com seu depoimento sobre a “invasão evangélica” que está acontecendo em diferentes tribos. O discurso evangélico, disse Olinda, faz o povo crer que “Urucum é bosta do diabo”.

O debate rendeu. Muito do que foi deixado de ser dito na mesa,  foi recuperado no debate. Muitas perguntas foram dirigidas à professora Eide:  “Você acha que o caso Itamar foi mesmo homofobia?”, “O que você acha do casamento homo afetivo e da adoção?”, “E o fundamentalismo do movimento LGBT? Seu discurso radical não é um tipo de  fundamentalismo?”, “E a relação do governo com o movimento LGBT?”, e assim por diante.

A sala estava lotada. O professor reuniu duas turmas, em torno de 120 pessoas (60 de cada turma). O debate se estendeu até as 23 horas, e seu resultado mostrou-se muito gratificante e motivador.

Publicado em Uncategorized

6ª Edição do Cinemando com a Literatura: textos de autoria feminina

cimemando evento

O Cinemando com a Literatura: textos de autoria feminina, promovido pelo Diadorim Núcleo de Estudos de Gênero e Sexualidade realizou, em 2012, sua 6ª edição, sob a coordenação do Prof. Marcos Gonçalves. Esse projeto foi concebido na interface entre cinema e literatura, com o intuito de fomentar a reflexão e discussão de temáticas contemporâneas, tendo como eixo desencadeador obras cinematográficas produzidas a partir de obra literárias consagradas.

Iniciado em 2007, o projeto atendeu a 14 campi, em edições sucessivas até 2011, tendo como público alvo estudantes do Projeto Universidade para Todos e discentes das unidades da UNEB, alcançando mais de 10.000 participantes.

Nesta nova edição, o projeto contempla produções literárias mundiais de autoria feminina, concentrando-se na comunidade acadêmica em cada campus e membros da comunidade externa interessados na discussão proposta.

A 6ª edição ocorreu em dois campi da Universidade do Estado da Bahia: Santo Antonio de Jesus, entre 8 e 9 de novembro, e Eunapolis, entre 22 e 23 de novembro de 2012.

Em Santo Antonio de Jesus:
Exposição Virtual Mulheres, de Jorge Itatu
Bate-Papo cinematográfico:
A Hora da Estrela: atriz Marcelia Cartaxo e Profa Carla de Quadros;
Preciosa: uma história de esperança: Profa. Luciana Vieira Mariano;
Arranca-me a Vida: Prof. José Francisco da Silva Filho e Prof. Marcos Gonçalves;
O Amante: ator Eucir de Souza
Coordenação Cinemando com a Literatura – Campus V: Tania Vasconcelos e Ricardo França
Apoio: Direção Campus V; NUPE; UPT; Colegiados de História, Geografia e Letras Espanhol

Em Eunápolis:
Exposição Virtual Mulheres, de Jorge Itatu
Bate-Papo cinematográfico:
A Hora da Estrela: Profa. Lícia Sobral e Profa Irlena Sousa;
Arranca-me a Vida: Profa. Ivanice Ortiz;
Preciosa: uma história de esperança: Profa. Caroline Lima Santos;
O Amante: Profa. Célia Santa Silva.
Coordenação Cinemando com a Literatura – Campus XVIII: Sandra Gama.
Apoio: Direção Campus XVIII; NUPE

Veja o blogs do Cinemando com a Literatura em Santo Antonio de Jesus: http://cinemandosaj.blogspot.com.br/

Veja o blog do Cinemando com a Literatura em Eunapolis: http://cinemandoeunapolis.blogspot.com.br

Acompanhe também as notícias produzidas pela ASCOM – UNEB.

6ª edição de projeto da Proex aborda universo feminino; inscrições até dia 31

http://www.uneb.br/2012/10/16/6-edicao-do-projeto-contempla-producoes-literarias-de-autoria-feminina/

Projeto Cinemando com a Literatura: inscrições abertas

http://www.uneb.br/calendario/2012/10/31/projeto-cinemando-com-a-literatura-inscricoes-abertas.html

Diadorim lança revista na abertura de projeto sobre universo feminino: dia 8

http://www.uneb.br/2012/11/06/projeto-da-proex-lanca-revista-sobre-filmes-que-tratam-do-universo-feminino/

Publicado em Uncategorized

Campanha de 16 dias de ativismo na UNEB pelo fim da violência contra a mulher

Neste momento em que a Bahia, e todo o Brasil, realiza atividades que refletem o racismo e o sexismo como eixos estruturantes da sociedade, produtores de diferentes faces da violência contra as mulheres, o Diadorim – Núcleo de Estudos de Gênero e Sexualidade da Universidade do Estado da Bahia, reiterando seu compromisso político de refletir dentro e fora dos muros da universidade a violência de gênero em suas múltiplas dimensões, convida a comunidade acadêmica e a sociedade em geral para participar da mesa–redonda “Somos da Educação, não toleramos violência”, que será realizada dia 26 de novembro, às 14:00h, no Teatro Caetano Veloso, localizado na Uneb, Campus 1, no bairro do Cabula – Salvador.

Essa atividade é uma ação formativa do projeto de Extensão “Campanha de 16 dias de ativismo na UNEB pelo fim da violência contra a mulher”, realizado desde 2006 em diferentes Campi da universidade, que este conta com o apoio da Secretaria da Educação da Bahia.

Coordenada pelas(o) docentes Eide Paiva, Amélia Maraux e Marco Martins, essa edição da Campanha 16 dias de ativismo na UNEB pelo fim da violência contra a mulher, que tem como princípio a articulação entre a universidade, o Estado e os movimentos sociais, foca a escola como locus privilegiado da luta cotidiana pela igualdade de direitos entre mulheres, homens, lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Desde essa perspectiva, a referida mesa-redonda tem o desafio de discutir e desnaturalizar preconceitos e violências nos espaços de educação, trazendo para o debate a necessidade de promoção de ações educativas que levem em conta a interseccionalidade de gênero, raça/etnia e sexualidade, assim como a garantia do direito à educação.

Para tanto, foram convidadas para compor a mesa-redonda, que será transmitida por vídeo conferência para os Campi da Uneb e salas de vídeo conferência do Instituto Anísio Teixeira (IAT), as professoras doutoras Denise Botelho (UFPE) e Cláudia Cardoso (UNEB), ambas ativistas do movimento de mulheres negras, e a professora mestre Jussara Costa (UEPB), ativista da Liga Brasileira de Lésbicas.

Outras linguagens se articulam para refletir a temática da mesa, a saber: exposição imagética das edições anteriores da Campanha de 16 dias de ativismo na Uneb pelo fim da violência contra as mulheres, exposição das camisas e cartazes das atividades desenvolvidas pelo Diadorim e lançamento da revista “Cinemando com a Literatura: textos de cinema, educação e feminino”, que traz textos refletindo feminina e suas interfaces.

Nossa expectativa é contar com a presença de estudantes, educadoras, educadores, ativistas e demais pessoas comprometidas com a Educação como trilha de empoderamento dos sujeitos em situação de violência.

Publicado em Uncategorized